Friday, January 2, 2009

Catarse



Da potência que renuncio agora

Da querência que paralisa minh’alma

Da “viruslência” que me tortura a espora

Da dolência no peito que me nega calma


É que derramo estas palavras nervosas

É que reclamo este organismo neurastênico

É que clamo por ajudas vigorosas

É que me denominaria esquizofrênico


Entrego-me de “corpo, alma e coração”

Entrego, de todo, meus órgãos à doação

Só não entrego o teor de minh’emoção


Entrego-me de culpa, carne e sem perdão

Entrego, de todo, meu espírito à purgação

Só não entrego o desvalor de minh’ação


11 comments:

Karla Hack said...

O mais interessante de seus versos é como o ritmo deles dá a "liga" para o tema... vai seduzindo e conquistando!
Muito bom!

;D

bjus

P.S. Boa escolha de imagem!

LUCAS DE OLIVEIRA said...

Belo poema...
muito bom!



Lucas de Oliveira
Jornal do Blog
O Renegado

Feliz '09

Yo Carmo said...

Querida amiga avassaladora...
de fato, falta poesia na blogosfera.
venha nos visitar tb
http://avassaladorasrio.blogspot.com

Dan Pessôa said...

Adoro sonetos
|E este realmente é muito bonito!!

www.danpessoa.blogspot.com

Khadija said...

Que maravilha!
tão bom quanto a poesia,só a ilustraçõa dela.
Picasso é MARA!




http://tricotandocomakhadija.blogspot.com/

Black Kamen Rider said...

O poema é muito bom.

Floradas de amor said...

Entrega-nos palavras,
e colhe admiração.
Parabéns pelo blog!
=D

O said...

muito bom mesmo..adorei..


www.dancesare.blogspot.com

Wander Veroni said...

Opa! O mais bacana é que o título resume toda tragédia dramática do poema de um personagem que é capaz de fazer tudo por amor - e esquece do amor próprio.

Abraço,

=]

-------------------
http://cafecomnoticias.blogspot.com

LADY DARK ANGEL said...

GOSTEI DO BLOG
AT AOND FIKA ADATA

Mandy said...

Belas palavras!
Adorei...
Teu blog é otimo ;)