Monday, November 17, 2008

Cálice




Retomei minha vida aninhada
Em ti vi o futuro da minh'alma
No fundo da externa armadura
Trilhando comigo as artes belas

Do alento senti teu secreto desejo
Teu corpo está brilhando ao céu
Não há como extinguir teu vigor
Tua alma está distante

De teus expressos gestos sem emoção
Como seria contagiosa a sintonia
Se teu corpo aceitasse teu íntimo
Se tu retirasses no seguro colo amigo

Esta capa que te faz se crer sombrio
Quero conhecer-te inteiro
Na imensidão do teu desconhecido de si
Quero levar-te a senha que precisas

Não se importe em chorar, eis o cálice
Do sentir por inteiro e o sangue explodindo
Nas veias por se ter e tomar o melhor dos manjares
O cálice do que há em nossos corações

~

4 comments:

Marcos said...

Belo poema....tem um sentido de "liberte-se mostre quem você realmente é" muitas pessoas precisa disso...

Abraçosss

Tatty said...

Admiro quem sabe escrever poemas...
abço

http://bioblue.blogspot.com

Bruno Battousai said...

Bom o poema, nem sei escrever!

DuDu Magalhães said...

Como se a 'conhecer' fosse a solução para uma vida 'desvivida'

legal..

http://visaocontraria.blogspot.com/