Tuesday, March 25, 2008

enjoy


ImageChef.com Poetry Blender

um ponto de interrogação no universo das reticências

Poderias dizer que sou marginal, mas não no sentido popular de conotação anti-social; e sim no sentido di-social, à revelia do social normótico imperativamente proposto, esse social no qual não enxergo mais coerência do nome com o que supõe-se denotar. Vejo seu uso como um eufemismo para o significado real a que tende se submeter: social= massa do excesso de individual no plural.

Apenas desejaria chegar à 'terceira margem da vida'.

10 comments:

Osmar Mesquita said...

seu texto esta muito bem feito.. porém nao fui capaz de entender a mensagem...
=[


otimo blog


http://bombadigital.blogspot.com/

Antonio † said...

yaaah.
amei a simplicidade do blog e o uso elaborado das palavras pra meio que induzir ou exigir uma interpretação mais cautelosa do leitor.

não tenho certeza absoluta se entendi o propósito do texto, mas analisando pelo contexto social, realmente, "convívio inter-seres-humanos" exigindo regras, aparencias e todo outro tipo de idioticas é tããão arquétipo :D

Bye ;*

blog said...

Ser marginal é estar à margem; na entrelinha.
Sem nunca saber ao certo quem veio primeiro: se o ovo ou a galinha.
É mais ou menos isso que propõe Leminski.

Marginais somos todos - uns mais que outros. Em qualquer momento.

jessy_12 said...

XD

eu n entendi a mensagem

mais ficou legal

XD


http://jessy.12.zip.net/

caio arroyo said...

Poucas palavras, mais todas bem escolhidas, texto que faz o leitor pensar, coisa rara atualmente. Todos somos marginais, o problema é que alguns preferem esconder esse lado

DuDu Magalhães said...

I am happy when I write something like this, when really write with soul ... Thank you for visiting my blog, go back always...

DuDu Magalhães said...

Dizem que o que todos procuramos é um sentido para a vida. Não penso que seja assim. Penso que o que estamos procurando é uma experiência de estar vivos, de modo que nossas experiências de vida, no plano puramente físico, tenham ressonância no interior do nosso ser e da nossa realidade mais íntimos, de modo que realmente sintamos o enlevo de estar vivos...


abrass..

squirrel said...

Gostei do post,está muito bem feito

bjs

K.Rafael said...

Tenho lido vários textos, mas o teu até parece que é de um grande mestre da literatura. Muito bom parabéns!

Alcione Torres said...

Legal.

Sarapatel de Coruja