Wednesday, February 6, 2008

Refletindo sobre o absurdo

(...)Se é verdade, tal como Nietzsche o quer, que um filósofo, para ser estimável, deve dar o exemplo, avalia-se a importância desta resposta, visto que ela vai preceder o gesto definitivo.
São evidências sensíveis ao coração, mas é preciso aprofundá-las para as tornar claras ao espírito। Se pergunto a mim próprio como decidir se determinada interrogação é mais premente do que outra qualquer, concluo que a resposta depende das ações a que elas incitam ou obrigam. Nunca vi ninguém morrer pelo argumento ontológico.

Galileu, que possuía uma verdade científica importante, dela abjurou com a maior das facilidades deste mundo, logo que tal verdade pôs a sua vida em perigo। Fez bem, em certo sentido। Essa verdade não valia a fogueira. Qual deles, a Terra ou o Sol gira em redor do outro, é-nos profundamente indiferente. A bem dizer, é um assunto fútil. Em contrapartida, vejo que muitas pessoas morrem por considerarem que a vida merece ser vivida. Outros vejo que se fazem paradoxalmente matar pela idéias ou pelas ilusões que lhes dão uma razão de viver (o que se chama uma razão de viver só ao mesmo tempo uma excelente razão de morrer).
Julgo pois que o sentido da vida é o mais premente dos assuntos —das interrogações। Como responder-lhes?
(...)

Importa-nos a relação entre o pensamento individual e o suicídio. Um gesto como este prepara-se, tal como acontece com uma grande obra, no silêncio do coração. O próprio homem o ignora. Uma bela noite, dá um tiro ou atira-se à água. De um gerente de prédios de rendimentos que se matara, diziam-se certo dia que ele perdera a filha havia cinco anos, que mudara muito, desde então e que essa história "o havia consumido". Não se pode desejar palavra mais exata. (...)As pessoas raramente se suicidam (a hipótese, no entanto, não se exclui) por reflexão। Aquilo que provoca a crise é quase sempre incontrolável. Os jornais falam muitas vezes de "desgostos íntimos" ou de "doença incurável". São explicações válidas. Mas era preciso saber se nesse próprio dia um amigo do desesperado não lhe falou num tom indiferente. Porque isso pode bastar para precipitar todos os rancores e todos os cansaços ainda em suspenso. Mas é difícil de fixar o momento preciso, o movimento sutil do espírito em que este se determinou pela morte, é mais fácil de tirar do próprio gesto as consequências que ele implica. Matar-se, em certo sentido (e tal como no melodrama), é confessar. É confessar que se é ultrapassado pela vida e que a não compreendemos.
(...)

Viver, naturalmente, nunca é fácil। Continuamos a fazer os gestos que a existência ordena, por muitas razões, a primeira das quais é o hábito. Morrer voluntariamente implica reconhecermos, mesmo instintivamente, o caráter irrisório desse hábito, o caráter insensato dessa agitação cotidiana e a inutilidade do sofrimento. Qual é então esse incalculável sentimento que priva o espírito do sono necessário à sua vida?

Um mundo que se pode explicar, mesmo com más razões, é um mundo familiar, mas, pelo contrário, num universo subitamente privado de ilusões e de luzes, o homem sente-se um estrangeiro। Tal exílio é sem recursos, visto que privado das recordações de uma pátria perdida ou da esperança de uma terra prometida. Esse divórcio entre o homem e a sua vida, entre o ator e o cenário. É que é verdadeiramente o sentido do absurdo. Como todos os homens sãos já pensaram no seu próprio suicídio, pode reconhecer-se, sem mais explicações, que há um elo direto entre tal sentimento e a aspiração ao nada.

(...)A priori, e invertendo os termos do problema, da mesma maneira que a gente se mata ou não se mata, parece haver unicamente duas soluções filosóficas: a do sim e a do não. Seria belo demais. Há que contar, porém, como aqueles que, sem tirarem conclusões, interrogam sempre. Aqui, mal ironizo: trata-se da maioria. Vejo igualmente que os que respondem não agem como se pensassem sim. De fato, se aceito o critério nitzscheano, eles pensam sim de uma maneira ou de outra. Pelo contrário, acontece muitas vezes que precisamente os que se suicidam eram os que estavam certos de haver encontrado um sentido da vida. (...)"

In: "Ensaio sobre o Absurdo", A.Camus

10 comments:

l&on@rdo said...

voce escreve heein....
parabens pelo blo
muito bom

Marcos Costa Melo said...

Sobre suicídio, acho que até hoje a humanidade não se decidiu se é uma ato de covardia ou coragem.

abs

Bruno T. said...

Nussa! maravilhoso
se eu for comentar td que li, irei fazer outro texto!
Abraço

'Ewertoon said...

o absurdo. acho que a vida é absurda. tudo o que vivemos e dizemos, sempre acabam por se contradizer.
concordo com o que disseram aí pra cima, não sei se o suicídio é um ato de covardia ou coragem. Deve-se ter coragem para se tirar a própria vida, mas uma covardia imensa pra se esconder do mundo. A vida é isso. um absurdo!

http://peidaesaipoeira.blogspot.com

J.B said...

As perguntas que nãoq euerem calar, da onde vem a nossa existencia, por que nos irritamos, por que amamos, por que matamos, por que vivemos? enfim são perguntas sem respostas, o suicidio é na minha opinião o ato de maior desespero humano, de alguma forma a pessoa que se suicida tentou pedir ajuda mais e não foi atendida, seu texto é maravilhoso, escreve muito bem, parabéns!

The Gossips said...

Você escreve muito bem, acho que , mesmo que seja triste, uma pessoa tem o direito a suicidio.

É claro que se deve pensar nas pessoas a sua volta e sofrimento que se pode causar...

Não acho a melhor solução para os problemas, é també acho que é por isso que a sociedade não se decidiu se é um ato de covardia ou coragem.

Penso eu que seja mais um ato de desepero...

http://tgossips.blogspot.com

W.G.A said...

parabens pelo post, é um absurdo mesmo!
http://galeriadearquivos.blogspot.com/

Abracos

Seduction said...

Acho que viver é um ato pragmático, sabe. Devemos esquecer as teorias, ou ao menos aplicá-las à cituações reais.

Sobre optar por deixar de viver, é muito difícil. Não sabemos os efeitos que as coisas têm sobre os outros. Portanto, é difícil fazer um julgamento do ato.

Aumentando as visitas no blog said...

A eterna pergunta persiste: para quê?
Tudo na terra tem objetivo, e o filósofo vez por outra deixa de lado esta especulação para que suas filosofias não desaguem num plano maior. A razão suprema é que "tudo precisa de uma razão para existir e prosseguir".
Continue com seu magnífico trabalho.
Acy Reis
http://leiamaisesta.blogspot.com/

Anonymous said...

o que eu estava procurando, obrigado